(RE) Following Joyce’s Steps by Dirce Waltrick do Amarante*

This content has been archived. It may no longer be relevant

[A translation in Brazilian Portuguese follows the English text; Uma tradução em português do Brasil segue o texto em inglês.]

 

I visited Dublin on two occasions. The first one was in February at the beginning of the 21st century, I walked where Bloom, Stephen, etc., walked through the places in the book such as Hammer Tower (Martello Tower), Trinity School, but without the hustle of the people who, on Dublin Bloomsday, crowd the streets of city ​​in search of a Joycean epiphany, the vision of something “banal” that changes their way of seeing the world. An epiphany of the kind: “Once he had washed his hands in the lavatory of the Wicklow Hotel and his father pulled the stopper up by the chain after and the dirty water went down through the hole in the basin. And when it had all gone down slowly the hole in the basin had made a sound like that: suck. Only louder.

To remember that and the white look of the lavatory made him feel cold and then hot. There were two cocks that you turned and water came out: cold and hot. He felt cold and then a little hot: and he could see the names printed on the cocks. That was a very queer thing”.

By the way, this epiphany is from Portrait of the Artist as a Young Man, published in 1916, a novel before Ulysses, published in 1920.

Bloomsday, as is well known, not only celebrates the novel Ulysses; other works by the Irish writer are also remembered and celebrated, as well as works by writers with an artistic affinity with Joyce.

I didn’t personally have any epiphanies in Dublin, but I confess that the banal and eschatological acts magically narrated by Joyce, in Ulysses and in other writings of his, somehow changed my perspective on everyday life; after all, I think that my every act, no matter how trivial, can always make a novel great… The problem will be to achieve the Irish writer’s verbal mastery. After all, says Lyotard, the adventure of the novel is in language, in its proliferation, in its dispersion and in the liberation of its horizons.

The first time I was in Dublin, I met, or thought I met, Earwicker, the central character of Finnegans Wake, Humphrey Chimpden Earwicker, a novel that I was reading and of which I was dedicated to translating a chapter, at the time, accompanied by a teacher of English Literature, Joanna Parker, Cambridge, England.

Arriving at the airport, I took a taxi to the hotel. The driver was ear weak or weaker, that is, he could barely hear, so I told him the address where I was going to stay and ended up at another address. I tried again to communicate with him, and when I saw that my speech had no effect on him, I wrote the address on the last page of my Finnegans Wake (the book that followed me everywhere). But it didn’t work, he heard and saw (perhaps he had iritis, like James Joyce) what he wanted and left me in front of Dublin’s Central Post Office, which

turned out to be interesting, since it is one of Ulysses’ scenarios and would be Shaun’s “house”, a postman character from Finnegans Wake. In front of the Central Post Office building with my suitcase and Joyce’s book in hand, I decided to go in and send a postcard to Sérgio Medeiros, who was not yet my husband and who was in California, although he really wanted to be there in Dublin. By the way, he has a birthday on Bloomsday and always gets a blue and white cake (the colors of the Greek flag, but above all a tribute to Ulysses)! That was the last postcard I ever sent. But it wasn’t the last time I was in Dublin! In 2017, I finally spent Bloomsday in the land of the Blooms: lots of people, lots of parties, and no epiphany.

Another year, we spent Bloomsday in London, where many scholars would meet to celebrate the date, and we decided to participate in the celebration, but we couldn’t find the place for the event. We walked in circles for hours on end and we didn’t find any Joyceans. We were in the wrong place at the wrong time! To make up for this failure, we decided to visit Joyce’s grave in Zurich, but the trip was delayed until February.

 

It was snowing a lot that February in Zurich, especially up there at the cemetery where Joyce is buried, which is on top of a hill. We entered the cemetery with no indication of where his grave was. We wandered through the narrow streets with snow-covered tombstones on either side, it felt like we were at poor Paddy Dignam’s funeral, albeit in Zurich and winter. In fact, the snow lays “thickly drifted on the crooked crosses and headstones, on the spears of the little gate, on the barren thorns”, as in the cemetery where Michael Furey from The Dead is buried. We ran our hands over the headstones to check the dead man’s name. Suddenly, we found Elias Canetti’s grave, he had won the Nobel… Joyce didn’t… the Nobel is really a very strange prize. By then, we were tired and cold, our gloves wet from rubbing them in the snow that covered the tombstones. 

My son Bruno Napoleão wanted to leave and decided not to take another step. He jumped into a snowdrift to sit down and, to our surprise, revealed, behind the snow where he had been sitting, the statue of James Joyce, right there, next to Elias Canetti. Bruno Napoleão put a hat on the statue of Joyce and made some sculptures next to it. We watched him, had a little chat with the Irish writer, took pictures and left. Joyce stayed there, surrounded by snowmen and with a hat on his head, all the work of Bruno Napoleão.

In Brazil, more specifically on an Island called Florianópolis (Hy-Brazil), I have been organizing the Bloomsday party with Sérgio Medeiros since 2002. In 2011, Clélia Mello joined us. Lovesoftfun at Brazilian Bloomsday always!

* Professor of the Graduate Program in Translation Studies at the Universidade Federal de Santa Catarina. In the field of Joycean studies, she has published Para ler Finnegans Wake de James Joyce (“How to read James Joyce’s Finnegans Wake”) and James Joyce e Seus Tradutores (“James Joyce and His Translators”). She has translated into Portuguese The Cats of CopenhagenThe Cat and the Devil, and Finnegans Wake (by a thread). Waltrick do Amarante co-organized, in partnership with Sérgio Medeiros, De santos e sábios (“From saints to sinners”, a collection of James Joyce’s essays translated into Brazilian Portuguese). Both also translated into Brazilian Portuguese Letters to Nora and Cartas a Harriet (“Letters to Harriet”, a selection of epistles from James Joyce to Harriet Weaver). waltrickdoamarantedirce@gmail.com

Seguindo os passos de Joyce por Dirce Waltrick do Amarante*

[Esta tradução do texto de Dirce é feita utilizando o software Deepl. Ela não é responsável por imprecisões ou insultos que resultem. Reclamações e correcções devem ser dirigidas ao bárbaro ignorante conhecido como Don Ward].

 

Bloomsday in Florianópolis: (from the left) Bertold Zilly, Clélia Mello, Claudia Zilly, Sérgio Medeiros

 

Visitei Dublin em duas ocasiões. A primeira foi em fevereiro do início do século XXI, caminhei por onde Bloom, Stephen, etc., caminharam pelos lugares do livro como a Torre Hammer, a Escola Trinity, mas sem a agitação das pessoas que, em Dublin Bloomsday, lotam as ruas da cidade em busca de uma epifania joyceana, a visão de algo “banal” que muda sua maneira de ver o mundo. Uma epifania do tipo: “Uma vez ele havia lavado as mãos no lavatório do Hotel Wicklow e seu pai puxou a rolha para cima pela corrente depois e a água suja desceu pelo buraco da bacia. E quando tudo tinha descido lentamente, o buraco na bacia tinha feito um som assim: chupar. Apenas mais alto.

Lembrar disso e o olhar branco do lavatório o fez sentir frio e depois quente. Havia dois galos que se viravam e a água saía: fria e quente. Ele sentiu frio e depois um pouco quente: e podia ver os nomes impressos nos torneiras. Foi uma coisa muito estranha”.

A propósito, esta epifania é de Portrait of the Artist as a Young Man, publicado em 1916, um romance antes de Ulisses, publicado em 1920.

Bloomsday, como é bem conhecido, não celebra apenas o romance Ulisses; outras obras do escritor irlandês também são lembradas e celebradas, assim como obras de escritores com afinidade artística com Joyce.

Eu não tive pessoalmente nenhuma epifania em Dublin, mas confesso que os atos banais e escatológicos narrados magicamente por Joyce, em Ulisses e em outros escritos dele, de alguma forma mudaram minha perspectiva sobre a vida cotidiana; afinal, acho que cada ato meu, por mais trivial que seja, pode sempre tornar grande um romance… O problema será conseguir o domínio verbal do escritor irlandês. Afinal, diz Lyotard, a aventura do romance está na linguagem, na sua proliferação, na sua dispersão e na liberação de seus horizontes.

A primeira vez que estive em Dublin, conheci, ou pensei conhecer, Earwicker, o personagem central de Finnegans Wake, Humphrey Chimpden Earwicker, um romance que eu estava lendo e do qual me dediquei a traduzir um capítulo, na época, acompanhado por uma professora de Literatura Inglesa, Joanna Parker, Cambridge, Inglaterra.

Chegando no aeroporto, peguei um táxi para o hotel. O motorista estava com o ouvido fraco ou mais fraco, ou seja, mal podia ouvir, então eu lhe disse o endereço onde eu iria ficar e acabei em outro endereço. Tentei novamente me comunicar com ele, e quando vi que meu discurso não tinha efeito sobre ele, escrevi o endereço na última página de meu Finnegans Wake (o livro que me seguiu em todos os lugares). Mas não funcionou, ele ouviu e viu (talvez tivesse iritis, como James Joyce) o que ele queria e me deixou em frente à Central dos Correios de Dublin, o que acabou sendo interessante, já que é um dos cenários de Ulisses e seria a “casa” de Shaun, um carteiro de Finnegans Wake. Em frente ao prédio da Central dos Correios com minha mala e o livro de Joyce na mão, decidi entrar e enviar um cartão postal para Sérgio Medeiros, que ainda não era meu marido e que estava na Califórnia, embora ele realmente quisesse estar lá em Dublin. A propósito, ele tem um aniversário no Bloomsday e sempre recebe um bolo azul e branco (as cores da bandeira grega, mas sobretudo uma homenagem a Ulisses)! Esse foi o último cartão postal que eu enviei. Mas não foi a última vez que estive em Dublin! Em 2017, finalmente passei o Bloomsday na terra dos Blooms: muita gente, muitas festas e nenhuma epifania.

Em outro ano, passamos o Bloomsday em Londres, onde muitos estudiosos se reuniriam para celebrar a data, e decidimos participar da celebração, mas não conseguimos encontrar o local para o evento. Andamos em círculos durante horas a fio e não encontramos nenhum Joyceans. Estávamos no lugar errado, na hora errada! Para compensar este fracasso, decidimos visitar o túmulo de Joyce em Zurique, mas a viagem foi adiada até fevereiro.

Nevava muito em fevereiro em Zurique, especialmente lá em cima no cemitério onde Joyce está enterrada, que fica no topo de uma colina. Entramos no cemitério sem nenhuma indicação de onde estava sua sepultura. Vagueamos pelas ruas estreitas com lápides cobertas de neve de ambos os lados, parecia que estávamos no funeral do pobre Paddy Dignam, embora em Zurique e no inverno. De fato, a neve “se precipitava nas cruzes e lápides tortas, nas lanças do portãozinho, nos espinhos estéreis”, como no cemitério onde está enterrado Michael Furey de Os Mortos. Passamos as mãos sobre as lápides para verificar o nome do homem morto. De repente, encontramos o túmulo de Elias Canetti, que havia ganho o Nobel. Joyce não… o Nobel é realmente um prêmio muito estranho. Até então, estávamos cansados e com frio, nossas luvas molhadas por esfregá-las na neve que cobria as lápides do túmulo. Meu filho Bruno Napoleão quis ir embora e decidiu não dar mais um passo. Ele saltou para um monte de neve para se sentar e, para nossa surpresa, revelou, atrás da neve onde estava sentado, a estátua de James Joyce, bem ali, ao lado de Elias Canetti. Bruno Napoleão colocou um chapéu sobre a estátua de Joyce e fez algumas esculturas ao lado dela. Nós o observamos, tivemos uma pequena conversa com o escritor irlandês, tiramos fotos e fomos embora. Joyce ficou lá, rodeada de bonecos de neve e com um chapéu na cabeça, todo o trabalho de Bruno Napoleão.

No Brasil, mais especificamente em uma ilha chamada Florianópolis (Hy-Brazil), estou organizando a festa Bloomsday com Sérgio Medeiros desde 2002. Em 2011, Clélia Mello juntou-se a nós. Sempre com amor no Bloomsday brasileiro!

* Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Tradução da Universidade Federal de Santa Catarina. Na área de estudos de Joycean, ela publicou Para ler Finnegans Wake de James Joyce (“Como ler James Joyce’s Finnegans Wake”) e James Joyce e Seus Tradutores (“James Joyce e Hé Tradutor”). Ela traduziu para o português The Cats of Copenhagen, The Cat and the Devil, e Finnegans Wake (por um fio). Waltrick do Amarante co-organizou, em parceria com Sérgio Medeiros, De santos e sábios (“Dos santos aos pecadores”, uma coleção de ensaios de James Joyce traduzidos para o português do Brasil). Ambos também traduziram para o português brasileiro Cartas a Nora e Cartas a Harriet (“Cartas a Harriet”, uma seleção de epístolas de James Joyce a Harriet Weaver). waltrickdoamarantedirce@gmail.com

2 thoughts on “(RE) Following Joyce’s Steps by Dirce Waltrick do Amarante*

  1. Super recollections. And magical. I never knew Joyce’s grave and Canett’s were so close to each other. Can you just imagine the conversations?

Leave a Reply